O Caixão Fantástico

Print Friendly, PDF & Email

O Caixão Fantástico (Augusto dos Anjos)

Célere ia o caixão, e, nele, inclusas,
Cinzas, caixas cranianas, cartilagens
Oriundas, como os sonhos dos selvagens,
De aberratórias abstrações abstrusas!

Nesse caixão iam talvez as Musas,
Talvez meu Pai! Hoffmânnicas visagens
Enchiam meu encéfalo de imagens
As mais contraditórias e confusas!

A energia monástica do Mundo,
À meia-noite, penetrava fundo
No meu fenomenal cérebro cheio…

Era tarde! Fazia muito frio.
Na rua apenas o caixão sombrio
Ia continuando o seu passeio!

Publicações relacionadas

Creio Creio (Alberto Caeiro) Creio que irei morrer. Mas o sentido de morrer n...
No sé por qué piensas tú No sé por qué piensas tú (Nicolás Guillén) De Cantos...
A Noite Desce A Noite Desce (Alberto Caeiro) A noite desce, o calor soçobra um pouco...
No segundo ano de minha fuga No segundo ano de minha fuga (Bertold Brecht) No segundo ano de minha fuga L...

Deixe uma resposta