O Canto Dos Presos

Print Friendly, PDF & Email

O Canto Dos Presos (Augusto dos Anjos)

Troa, a alardear bárbaros sons abstrusos,
O epitalâmio da Suprema Falta,
Entoado asperamente, em voz muito alta,
Pela promiscuidade dos reclusos!

No wagnerismo desses sons confusos,
Em que o Mal se engrandece e o ódio se exalta,
Uiva, à luz de fantástica ribalta,
A ignomínia de todos os abusos!

É a prosódia do cárcere, é a partênea
Aterradoramente heterogênea
Dos grandes transviamentos subjectivos…

È a saudade dos erros satisfeitos,
Que, não cabendo mais dentro dos peitos,
Se escapa pela boca dos cativos!

Publicações relacionadas

Bem no Fundo Bem no Fundo (Paulo Leminski) No fundo, no fundo, bem lá no fundo, a gent...
A boa vista A boa vista (Castro Alves) Sonha, poeta, sonha! Aqui sentado No tosco...
Lésbia Lésbia (Cruz e Souza) Cróton selvagem, tinhorão lascivo, Planta m...
Velho sobrado Velho sobrado (Cora Coralina) Um montão disforme. Taipas e pedras, abraçada...

Deixe uma resposta