O dia da ira

Print Friendly, PDF & Email

O dia da ira (Adélia Prado)

As coisas tristíssimas,
o rolomag, o teste de Cooper,
a mole carne tremente entre as coxas,
vão desaparecer quando soar a trombeta.
Levantaremos como deuses,
com a beleza das coisas que nunca pecaram,
como árvores, como pedras,
exatos e dignos de amor.
Quando o anjo passar;
o furacão ardente do seu vôo
vai secar as feridas,
as secreções desviadas dos seus vasos
e as lágrimas.
As cidades restarão silenciosas, sem um veículo:
apenas os pés de seus habitantes
reunidos na praça, à espera de seus nomes.

Publicações relacionadas

Perdoa-me, Visão dos meus Amor... Perdoa-me, Visão dos meus Amores (Alvares Azevedo) Perdoa-me, visão dos meus ...
Uma Amiga Uma Amiga (Antero de Quental) Aqueles que eu amei, nao sei que vento Os dis...
Retribuindo Retribuindo (Mário de Andrade) Por que os homens não me escutam? Por que os g...
As vogais As vogais (Arthur Rimbaud) Tradução de Celso Vieira A negro, E, branco, ...

Deixe uma resposta