A Árvore da Serra

Print Friendly, PDF & Email

A Árvore da Serra (Augusto dos Anjos)

— As árvores, meu filho, não têm alma!
E esta árvore me serve de empecilho…
É preciso cortá-la, pois, meu filho,
Para que eu tenha uma velhice calma!

— Meu pai, por que sua ira não se acalma?!
Não vê que em tudo existe o mesmo brilho?!
Deus pos almas nos cedros… no junquilho…
Esta árvore, meu pai, possui minh’alma! …

— Disse — e ajoelhou-se, numa rogativa:
«Não mate a árvore, pai, para que eu viva!»
E quando a árvore, olhando a pátria serra,

Caiu aos golpes do machado bronco,
O moço triste se abraçou com o tronco
E nunca mais se levantou da terra!

Publicações relacionadas

Assim como falham as palavras Assim como falham as palavras (Alberto Caeiro) Assim como falham as palavr...
Preceito 08 Preceito 08 (Gregório de Matos) As culpas, que me dão nele, são, que em t...
Autoretrato Autoretrato (Pablo Neruda) Por mi parte, soy o creo ser duro de nariz, mí...
Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...

Deixe uma resposta