Ser Poeta

Print Friendly, PDF & Email

Ser Poeta (Florbela Espanca)

Do Livro Charneca em Flor

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…
é condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Publicações relacionadas

A Exceção e a Regra A Exceção e a Regra (Bertold Brecht) Estranhem o que não for estranho. Tomem...
Quadrilha Quadrilha (Carlos Drummond de Andrade) João amava Teresa que amava Raimundo ...
Canção Canção (Fernando Pessoa) Silfos ou gnomos tocam?... Roçam nos pinheirais ...
Para um estranho Para um estranho (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Estranho q...

Deixe uma resposta