Ser Poeta

Print Friendly, PDF & Email

Ser Poeta (Florbela Espanca)

Do Livro Charneca em Flor

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…
é condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Publicações relacionadas

Fausto – Parte I (1806) ... Fausto - Parte I (1806) - resumo (Johann Wofgang von Goethe) A sede de onipot...
Sete canções de declínio Sete canções de declínio (Mário de Sá Carneiro) 1 Um vago tom de opala ...
Mi Buenos Aires querido Mi Buenos Aires querido (Juan Gelman) Do livro ...
Eterna Mágoa Eterna Mágoa (Augusto dos Anjos) O homem por sobre quem caiu a praga Da tris...

Deixe uma resposta