Vesperal

Print Friendly, PDF & Email

Vesperal (Cruz e Souza)

Tardes de ouro para harpas dedilhadas
Por sacras solenidades
De catedrais em pompa, iluminadas
Com rituais majestades.

Tardes para quebrantos e surdinas
E salmos virgens e cantos
De vozes celestiais, de vozes finas
De surdinas e quebrantos…

Quando através de altas vidraçarias
De estilos góticos, graves,
O sol, no poente, abre tapeçarias,
Resplandecendo nas naves…

Tardes augustas, bíblicas, serenas,
Com silencio de ascetérios
E aromas leves, castos, de açucenas
Nos claros ares sidéreos…

Tardes de campos repousados, quietos,
Nos longes emocionantes…
De rebanhos saudosos, de secretos
Desejos vagos, errantes…

Ó Tardes de Beethoven, de sonatas,
De um sentimento aéreo e velho…
Tardes da antiga limpidez das pratas,
De Epístolas do Evangelho!…

Publicações relacionadas

Elegia ao primeiro amigo Elegia ao primeiro amigo (Vinicius de Moraes ( ... ) Serei delicado. Sou mu...
A esfinge sem segredo A esfinge sem segredo (Oscar Wilde) por Oscar Wilde UMA ÁGUA FORTE Acha...
A balada do cárcere de Reading... A balada do cárcere de Reading (Oscar Wilde) Ele não trajava a sua túnica esc...
Barcarola Barcarola (Augusto dos Anjos) Barcarola Cantam nautas, choram flautas Pel...

Deixe uma resposta