Vesperal

Print Friendly, PDF & Email

Vesperal (Cruz e Souza)

Tardes de ouro para harpas dedilhadas
Por sacras solenidades
De catedrais em pompa, iluminadas
Com rituais majestades.

Tardes para quebrantos e surdinas
E salmos virgens e cantos
De vozes celestiais, de vozes finas
De surdinas e quebrantos…

Quando através de altas vidraçarias
De estilos góticos, graves,
O sol, no poente, abre tapeçarias,
Resplandecendo nas naves…

Tardes augustas, bíblicas, serenas,
Com silencio de ascetérios
E aromas leves, castos, de açucenas
Nos claros ares sidéreos…

Tardes de campos repousados, quietos,
Nos longes emocionantes…
De rebanhos saudosos, de secretos
Desejos vagos, errantes…

Ó Tardes de Beethoven, de sonatas,
De um sentimento aéreo e velho…
Tardes da antiga limpidez das pratas,
De Epístolas do Evangelho!…

Publicações relacionadas

Regenerada Regenerada (Augusto dos Anjos) De mãos postas, à luz de frouxos círios ...
Vozes de um Túmulo Vozes de um Túmulo (Augusto dos Anjos) Morri! E a Terra — a mãe comum — o br...
André Chénier André Chénier (Augusto dos Anjos) Na real magnificência dos gigantes Grave c...
Porquinho-da-Índia Porquinho-da-Índia (Manuel Bandeira) Quando eu tinha seis anos Ganhei um por...

Deixe uma resposta