Vesperal

Print Friendly, PDF & Email

Vesperal (Cruz e Souza)

Tardes de ouro para harpas dedilhadas
Por sacras solenidades
De catedrais em pompa, iluminadas
Com rituais majestades.

Tardes para quebrantos e surdinas
E salmos virgens e cantos
De vozes celestiais, de vozes finas
De surdinas e quebrantos…

Quando através de altas vidraçarias
De estilos góticos, graves,
O sol, no poente, abre tapeçarias,
Resplandecendo nas naves…

Tardes augustas, bíblicas, serenas,
Com silencio de ascetérios
E aromas leves, castos, de açucenas
Nos claros ares sidéreos…

Tardes de campos repousados, quietos,
Nos longes emocionantes…
De rebanhos saudosos, de secretos
Desejos vagos, errantes…

Ó Tardes de Beethoven, de sonatas,
De um sentimento aéreo e velho…
Tardes da antiga limpidez das pratas,
De Epístolas do Evangelho!…

Publicações relacionadas

Fim Fim (Mário de Sá Carneiro) Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos salto...
Alguien Alguien (Jorge Luis Borges) Un hombre trabajado por el tiempo, un hombre qu...
Os deslimites da palavra Os deslimites da palavra (Manoel de Barros) Ando muito completo de vazios. M...
Meto-me para Dentro Meto-me para Dentro (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta