Dança do ventre

Print Friendly, PDF & Email

Dança do ventre (Cruz e Souza)

Torva, febril, torcicolosamente,
Numa espiral de elétricos volteios,
Na cabeça, nos olhos e nos seios
Fluíam-lhe os venenos da serpente.

Ah! que agonia tenebrosa e ardente!
Que convulsões, que lúbricos anseios,
Quanta volúpia e quantos bamboleios,
Que brusco e horrível sensualismo quente.

O ventre, em pinchos, empinava todo
Como reptil abjecto sobre o lodo,
Espolinhando e retorcido em fúria.

Era a dança macabra e multiforme
De um verme estranho, colossal, enorme,
Do demônio sangrento da luxúria!

Publicações relacionadas

Flor do mar Flor do mar (Cruz e Souza) És da origem do mar, vens do secreto, ...
Há Metafísica Bastante em Não ... Há Metafísica Bastante em Não Pensar em Nada (Alberto Caeiro) ...
Stella (1775, “espetácul... Stella (1775, "espetáculo para amantes") - resumo (Johann Wofgang von Goethe) ...
Quem me Dera Quem me Dera (Alberto Caeiro) De O ...

Deixe uma resposta