Dança do ventre

Print Friendly, PDF & Email

Dança do ventre (Cruz e Souza)

Torva, febril, torcicolosamente,
Numa espiral de elétricos volteios,
Na cabeça, nos olhos e nos seios
Fluíam-lhe os venenos da serpente.

Ah! que agonia tenebrosa e ardente!
Que convulsões, que lúbricos anseios,
Quanta volúpia e quantos bamboleios,
Que brusco e horrível sensualismo quente.

O ventre, em pinchos, empinava todo
Como reptil abjecto sobre o lodo,
Espolinhando e retorcido em fúria.

Era a dança macabra e multiforme
De um verme estranho, colossal, enorme,
Do demônio sangrento da luxúria!

Publicações relacionadas

Na rua em funeral ei-la que pa... Na rua em funeral ei-la que passa (Augusto dos Anjos) Soneto (Le...
Meu Sonho Meu Sonho (Alvares Azevedo) Eu Cavaleiro das armas escuras, Onde vais pelas...
Luminares Luminares (Charles Pierre Baudelaire) Tra...
Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta