Dança do ventre

Print Friendly, PDF & Email

Dança do ventre (Cruz e Souza)

Torva, febril, torcicolosamente,
Numa espiral de elétricos volteios,
Na cabeça, nos olhos e nos seios
Fluíam-lhe os venenos da serpente.

Ah! que agonia tenebrosa e ardente!
Que convulsões, que lúbricos anseios,
Quanta volúpia e quantos bamboleios,
Que brusco e horrível sensualismo quente.

O ventre, em pinchos, empinava todo
Como reptil abjecto sobre o lodo,
Espolinhando e retorcido em fúria.

Era a dança macabra e multiforme
De um verme estranho, colossal, enorme,
Do demônio sangrento da luxúria!

Publicações relacionadas

O Cúmplice O Cúmplice (Jorge Luis Borges) Tradução Me crucificaram e eu devo ser a cr...
Apostila Apostila (Álvaro de Campos) Aproveitar o tempo! Mas o que é o tempo que eu o...
Folhas de Rosa Folhas de Rosa (Florbela Espanca) Todas as prendas que me deste, um dia, Gua...
Mágoas Mágoas (Augusto dos Anjos) Quando nasci, num mês de tantas flores, Todas mu...

Deixe uma resposta