Ave Dolorosa

Print Friendly, PDF & Email

Ave Dolorosa (Augusto dos Anjos)

Ave perdida para sempre – crença
Perdida – segue a trilha que te traça
O Destino, ave negra da Desgraça,
Gêmea da Mágoa e núncia da Descrença!

Dos sonhos meus na Catedral imensa
Que nunca pouses. Lá, na névoa baça
Onde o teu vulto lúrido esvoaça,
Seja-te a vida uma agonia intensa!

Vives de crenças mortas e te nutres,
Empenhada na sanha dos abutres,
Num desespero rábido, assassino…

E hás de tombar um dia em mágoas lentas,
Negrejadas das asas lutulentas
Que te emprestar o corvo do Destino!

Publicações relacionadas

Ultima visão Ultima visão (Augusto dos Anjos) Quando o homem resgatado da cegueira Vir De...
Coito Coito (Ferreira Gullar) Todos os movimentos do amor são noturn...
O ter deveres, que prolixa coi... O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos) O ter deveres, que proli...
Los Pocillos Los Pocillos (Mario Benedetti) Los pocillos eran seis: dos rojos, dos negr...

Deixe uma resposta