A Aeronave

Print Friendly, PDF & Email

A Aeronave (Augusto dos Anjos)

Cindindo a vastidão do Azul profundo,
Sulcando o espaço, devassando a terra,
A aeronave que um mistério encerra
Vai pelo espaço acompanhando o mundo.
E na esteira sem fim da azúlea esfera
Ei-la embalada n’amplidão dos ares,
Fitando o abismo sepulcral dos mares,
Vencendo o azul que ante si s’erguera.

Voa, se eleva em busca do infinito,
É como um despertar de estranho mito,
Auroreando a humana consciência.

Cheia da luz do cintilar de um astro,
Deixa ver na fulgência do seu rastro
A trajetória augusta da Ciência.

Publicações relacionadas

Alguien Alguien (Jorge Luis Borges) Un hombre trabajado por el tiempo, un hombre qu...
Amor, então, também, acaba? Amor, então, também, acaba? (Paulo Leminski) do livro "...
Síndrome Síndrome (Mario Benedetti) Do livro "Inventár...
Com licença poética Com licença poética (Adélia Prado) Quando nasci um anjo esbelto, desses que ...

Deixe uma resposta