Idealismo

Print Friendly, PDF & Email

Idealismo (Augusto dos Anjos)

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo!
O amor da Humanidade é uma mentira.
É. E é por isto que na minha lira
De amores fúteis poucas vezes falo.

O amor! Quando virei por fim a amá-lo?!
Quando, se o amor que a Humanidade inspira
É o amor do sibarita e da hetaíra,
De Messalina e de Sardanapalo?!

Pois é mister que, para o amor sagrado,
O mundo fique imaterializado
— Alavanca desviada do seu fulcro —

E haja só amizade verdadeira
Duma caveira para outra caveira,
Do meu sepulcro para o teu sepulcro?!

Publicações relacionadas

Solte os cachorros Solte os cachorros - trechos do livro (Adélia Prado) " Pai que estais no céu ...
José José (Carlos Drummond de Andrade) E agora, José? A festa acabou, a luz apag...
Epitáfio Epitáfio (Walt Whitman) Eu parto com o ar – sacudo minha neve branca ao sol q...
Nunca Mais! Nunca Mais! (Florbela Espanca) Ó castos sonhos meus! Ó mágicas visões! Quime...

Deixe uma resposta