Idealismo

Print Friendly, PDF & Email

Idealismo (Augusto dos Anjos)

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo!
O amor da Humanidade é uma mentira.
É. E é por isto que na minha lira
De amores fúteis poucas vezes falo.

O amor! Quando virei por fim a amá-lo?!
Quando, se o amor que a Humanidade inspira
É o amor do sibarita e da hetaíra,
De Messalina e de Sardanapalo?!

Pois é mister que, para o amor sagrado,
O mundo fique imaterializado
— Alavanca desviada do seu fulcro —

E haja só amizade verdadeira
Duma caveira para outra caveira,
Do meu sepulcro para o teu sepulcro?!

Publicações relacionadas

Perguntas ao acaso (2) Perguntas ao acaso (2) (Mario Benedetti) Do ...
Uma cidade tão nobre Uma cidade tão nobre (Gregório de Matos) Uma cidade tão nobre, ...
Alguien Alguien (Jorge Luis Borges) Un hombre trabajado por el tiempo, un hombre qu...
Pergunte ao pó Pergunte ao pó (Paulo Leminski) cresce a vida cresce o tempo cresce...

Deixe uma resposta