Ceticismo

Print Friendly, PDF & Email

Ceticismo (Augusto dos Anjos)

Desci um dia ao tenebroso abismo,
Onde a dúvida ergueu altar profano;
Cansado de lutar no mundo insano,
Fraco que sou, volvi ao ceticismo.

Da Igreja – a Grande Mãe – o exorcismo
Terrível me feriu, e então sereno,
De joelhos aos pés do Nazareno
Baixo rezei, em fundo misticismo:

– Oh! Deus, eu creio em ti, mas me perdoa!
Se esta dúvida cruel qual me magoa
Me torna ínfimo, desgraçado réu.

Ah, entre o medo que o meu Ser aterra,
Não sei se viva p’ra morrer na terra,
Não sei se morra p’ra viver no Céu!

Publicações relacionadas

Muerte y juicio Muerte y juicio (Rafael Alberti) 1 (MUERTE) ...
Distâncias mínimas Distâncias mínimas (Paulo Leminski) um texto morcego se guia por ecos ...
um bom poema um bom poema (Paulo Leminski) leva anos cinco jogando bola, mais cinco estu...
Terra dos homens I Terra dos homens I (Antoine de Saint-Exupéry) Trechos do livro " Se às vez...

Deixe uma resposta