Caput Immortale

Print Friendly, PDF & Email

Caput Immortale (Augusto dos Anjos)

Na dinâmica aziaga das descidas,
Aglomeradamente e em turbilhão
Solucem dentro do Universo ancião,
Todas as urbes siderais vencidas!

Morra o éter. Cesse a luz. Parem as vidas,
Sobre a pancosmológica exaustão
Reste apenas o acervo árido e vão
Das muscularidades consumidas!

Ainda assim, a animar o cosmos ermo,
Morto o comércio físico nefando,
Oh! Nauta aflito do Subliminal,

Como a última expressão da Dor sem termo,
Tua cabeça há de ficar vibrando
Na negatividade universal!

Publicações relacionadas

Anseio Anseio (Augusto dos Anjos) Quem sou eu, neste ergástulo das vidas Danadament...
Todavía Todavía (Mario Benedetti) No lo creo todavía estás llegando a mi lado y l...
O editor O editor (Álvares de Azevedo) —A poesia transcrita é de Torquato, Desse pob...
Todos os Dias Todos os Dias (Alberto Caeiro) Todos os dias agora acordo com alegria e ...

Deixe uma resposta