Caput Immortale

Print Friendly, PDF & Email

Caput Immortale (Augusto dos Anjos)

Na dinâmica aziaga das descidas,
Aglomeradamente e em turbilhão
Solucem dentro do Universo ancião,
Todas as urbes siderais vencidas!

Morra o éter. Cesse a luz. Parem as vidas,
Sobre a pancosmológica exaustão
Reste apenas o acervo árido e vão
Das muscularidades consumidas!

Ainda assim, a animar o cosmos ermo,
Morto o comércio físico nefando,
Oh! Nauta aflito do Subliminal,

Como a última expressão da Dor sem termo,
Tua cabeça há de ficar vibrando
Na negatividade universal!

Publicações relacionadas

Círculo vicioso Círculo vicioso (Machado de Assis) Bailando no ar, gemia inquieto vagalume: ...
Eu, eu mesmo… Eu, eu mesmo... (Álvaro de Campos) Eu, eu mesmo... Eu, cheio de todos os can...
Trova Trova (Mário Quintana) A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa,...
Versos de um coveiro Versos de um coveiro (Augusto dos Anjos) Numerar sepulturas e carneiros, Red...

Deixe uma resposta