Caput Immortale

Print Friendly, PDF & Email

Caput Immortale (Augusto dos Anjos)

Na dinâmica aziaga das descidas,
Aglomeradamente e em turbilhão
Solucem dentro do Universo ancião,
Todas as urbes siderais vencidas!

Morra o éter. Cesse a luz. Parem as vidas,
Sobre a pancosmológica exaustão
Reste apenas o acervo árido e vão
Das muscularidades consumidas!

Ainda assim, a animar o cosmos ermo,
Morto o comércio físico nefando,
Oh! Nauta aflito do Subliminal,

Como a última expressão da Dor sem termo,
Tua cabeça há de ficar vibrando
Na negatividade universal!

Publicações relacionadas

No meio da noite No meio da noite (Adélia Prado) Acordei meu bem pra lhe contar meu sonho: se...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - VII (Oscar Wilde) CAPÍTULO VI Daí...
Oswald morto Oswald morto (Ferreira Gullar) Enterraram ontem em São Paulo um anjo antrpó...
Reflexão no.1 Reflexão no.1 (Murilo Mendes) Ninguém sonha duas vezes o mesmo sonho Ninguém...

Deixe uma resposta