Canto de Onipotência

Print Friendly, PDF & Email

Canto de Onipotência (Augusto dos Anjos)

Cloto, Átropos, Tifon, Laquesis, Siva…
E acima deles, como um astro, a arder,
Na hiperculminação definitiva
O meu supremo e extraordinário Ser!

Em minha sobre-humana retentiva
Brilhavam, como a luz do amanhecer,
A perfeição virtual tornada viva
E o embrião do que podia acontecer!

Por antecipação divinatória,
Eu, projetado muito além da História,
Sentia dos fenômenos o fim.. .

A coisa em si movia-se aos meus brados
E os acontecimentos subjugados
Olhavam como escravos para mim!

Publicações relacionadas

O que Ouviu os Meus Versos O que Ouviu os Meus Versos (Alberto Caeiro) O que ouviu os meus versos disse...
Balada feroz Balada feroz (Vinicius de Moraes Canta uma esperança desatinada para que enfu...
Llanto y coplas Llanto y coplas (Antonio Machado) Al fin, una pulmonía mató a Don Guido, y e...
O que quer dizer O que quer dizer (Paulo Leminski) O que quer dizer, diz. Não fica fazendo ...

Deixe uma resposta