Canto de Onipotência

Print Friendly, PDF & Email

Canto de Onipotência (Augusto dos Anjos)

Cloto, Átropos, Tifon, Laquesis, Siva…
E acima deles, como um astro, a arder,
Na hiperculminação definitiva
O meu supremo e extraordinário Ser!

Em minha sobre-humana retentiva
Brilhavam, como a luz do amanhecer,
A perfeição virtual tornada viva
E o embrião do que podia acontecer!

Por antecipação divinatória,
Eu, projetado muito além da História,
Sentia dos fenômenos o fim.. .

A coisa em si movia-se aos meus brados
E os acontecimentos subjugados
Olhavam como escravos para mim!

Publicações relacionadas

Se eu fosse um padre Se eu fosse um padre (Mário Quintana) Tão lenta e serena e bela e majestosa [v...
Sonho Branco Sonho Branco (Cruz e Souza) De linho e rosas brancas vais vestido, ...
Andei léguas de sombra Andei léguas de sombra (Fernando Pessoa) Andei léguas de sombra Dentro em...
A Um Epilético A Um Epilético (Augusto dos Anjos) Perguntarás quem sou?! — ao suor que te un...

Deixe uma resposta