Canto de Onipotência

Print Friendly, PDF & Email

Canto de Onipotência (Augusto dos Anjos)

Cloto, Átropos, Tifon, Laquesis, Siva…
E acima deles, como um astro, a arder,
Na hiperculminação definitiva
O meu supremo e extraordinário Ser!

Em minha sobre-humana retentiva
Brilhavam, como a luz do amanhecer,
A perfeição virtual tornada viva
E o embrião do que podia acontecer!

Por antecipação divinatória,
Eu, projetado muito além da História,
Sentia dos fenômenos o fim.. .

A coisa em si movia-se aos meus brados
E os acontecimentos subjugados
Olhavam como escravos para mim!

Publicações relacionadas

Ser Poeta Ser Poeta (Florbela Espanca) Do Livro Charneca em...
Vestida de preto Vestida de preto (Mário de Andrade) Tanto andam agora preocupados em definir ...
Se souberas falar também falar... Se souberas falar também falarás (Gregório de Matos) Se souberas falar também...
O que aconteceu comigo O que aconteceu comigo (Vladmir Maiakowski) Tradu...

Deixe uma resposta