Grandeza Oculta

Print Friendly, PDF & Email

Grandeza Oculta (Cruz e Souza)

Estes vão para as guerras inclementes,
Os absurdos heróiis sanguinolentos,
Alvoroçados, tontos e sedentos
Do clamor e dos ecos estridentes.

Aqueles para os frívolos e ardentes
Prazeres de acres inebriamentos:
Vinhos, mulheres, arrebatamentos
De luxúrias carnais, impenitentes.

Mas Tu, que na alma a imensidade fechas,
Que abriste com teu Gênio fundas brechas
no mundo vil onde a maldade exulta,

Ó delicado espírito de Lendas!
Fica nas tuas Graças estupendas,
No sentimento da grandeza oculta!

Publicações relacionadas

O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...
Se às Vezes Digo que as Flores... Se às Vezes Digo que as Flores Sorriem (Alberto Caeiro) ...
O Morcego O Morcego (Augusto dos Anjos) Meia noite. Ao meu quarto me recolho. Meu Deus...
Enquanto a chuva cai Enquanto a chuva cai (Manuel Bandeira) A chuva cai. O ar fica mole . . . Ind...

Deixe uma resposta