Voz fugitiva

Print Friendly, PDF & Email

Voz fugitiva (Cruz e Souza)

Às vezes na tu’alma que adormece
Tanto e tão fundo, alguma voz escuto
De timbre emocional, claro, impoluto
Que uma voz bem amiga me parece.

E fico mudo a ouvi-la como a prece
De um meigo coração que estaá de luto
E livre, já, de todo o mal corruto,
Mesmo as afrontas mais cruéis esquece.

Mas outras vezes, sempre em vão, procuro
Dessa voz singular o timbre puro,
As essências do céu maravilhosas.

Procuro ansioso, inquieto, alvoroçado,
Mas tudo na tu’alma está calado,
No silêncio fatal das nebulosas.

Publicações relacionadas

Retrato do artista quando cois... Retrato do artista quando coisa (Manoel de Barros) A maior riqueza do homem ...
Alturas de Macchu Picchu Alturas de Macchu Picchu (Pablo Neruda) Del aire al aire, como una red vacía,...
Soneto de intimidade Soneto de intimidade (Vinicius de Moraes Nas tardes da fazenda há muito azul ...
Decadência Decadência (Augusto dos Anjos) Iguais às linhas perpendiculares Caíram, como...

Deixe uma resposta