Voz fugitiva

Print Friendly, PDF & Email

Voz fugitiva (Cruz e Souza)

Às vezes na tu’alma que adormece
Tanto e tão fundo, alguma voz escuto
De timbre emocional, claro, impoluto
Que uma voz bem amiga me parece.

E fico mudo a ouvi-la como a prece
De um meigo coração que estaá de luto
E livre, já, de todo o mal corruto,
Mesmo as afrontas mais cruéis esquece.

Mas outras vezes, sempre em vão, procuro
Dessa voz singular o timbre puro,
As essências do céu maravilhosas.

Procuro ansioso, inquieto, alvoroçado,
Mas tudo na tu’alma está calado,
No silêncio fatal das nebulosas.

Publicações relacionadas

Último Soneto Último Soneto (Álvares de Azevedo) Já da noite o palor me cobre o rosto,...
Tristezas da lua Tristezas da lua (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Martins Fontes ...
Sonhador Sonhador (Cruz e Souza) Por sóis, por belos sóis alvissareiros, N...
Gozo insatisfeito Gozo insatisfeito (Augusto dos Anjos) Entre o gozo que aspiro, e o sofrimento...

Deixe uma resposta