Vítima do Dualismo

Print Friendly, PDF & Email

Vítima do Dualismo (Augusto dos Anjos)

Ser miserável dentre os miseráveis
— Carrego em minhas células sombrias
Antagonismos irreconciliáveis
E as mais opostas idiosincrasias!

Muito mais cedo do que o imagináveis
Eis-vos, minha alma, enfim, dada às bravias
Cóleras dos dualismos implacáveis
E à gula negra das antinomias!

Psiquê biforme, o Céu e o Inferno absorvo…
Criação a um tempo escura e cor-de-rosa,
Feita dos mais variáveis elementos,

Ceva-se em minha carne, como um corvo,
A simultaneidade ultramonstruosa
De todos os contrastes famulentos!

Publicações relacionadas

O Lupanar O Lupanar (Augusto dos Anjos) Ali! Por que monstruosíssimo motivo Prenderam...
Tema e voltas Tema e voltas (Manuel Bandeira) Mas para quê Tanto sofrimento, Se nos céus ...
Anoche cuando dormía Anoche cuando dormía (Antonio Machado) Anoche cuando dormía soñé, ¡bendita ...
O Gramático O Gramático (Oswald de Andrade) Os negros discutiam Que o cavalo sipantou M...

Deixe uma resposta