Vítima do Dualismo

Print Friendly, PDF & Email

Vítima do Dualismo (Augusto dos Anjos)

Ser miserável dentre os miseráveis
— Carrego em minhas células sombrias
Antagonismos irreconciliáveis
E as mais opostas idiosincrasias!

Muito mais cedo do que o imagináveis
Eis-vos, minha alma, enfim, dada às bravias
Cóleras dos dualismos implacáveis
E à gula negra das antinomias!

Psiquê biforme, o Céu e o Inferno absorvo…
Criação a um tempo escura e cor-de-rosa,
Feita dos mais variáveis elementos,

Ceva-se em minha carne, como um corvo,
A simultaneidade ultramonstruosa
De todos os contrastes famulentos!

Publicações relacionadas

Tentanda via Tentanda via (Antero de Quental) d...
Salário Salário (Mario Benedetti) Do livro "Poemas do...
Máquina alguma de poupar traba... Máquina alguma de poupar trabalho (Walt Whitman) Máquina alguma de poupar tra...
La lámpara en la tierra La lámpara en la tierra (Pablo Neruda) Amor América (1400) Antes de la p...

Deixe uma resposta