Volúpia Imortal

Print Friendly, PDF & Email

Volúpia Imortal (Augusto dos Anjos)

Cuidas que o genesíaco prazer,
Fome do átomo e eurítmico transporte
De todas as moléculas, aborte
Na hora em que a nossa carne apodrecer?!

Não! Essa luz radial, em que arde o Ser,
Para a perpetuação da Espécie forte,
Tragicamente, ainda depois da morte,
Dentro dos ossos, continua a arder!

Surdos destarte a apóstrofes e brados,
Os nossos esqueletos descamados,
Em convulsivas contorções sensuais,

Haurindo o gás sulfídrico das covas,
Com essa volúpia das ossadas novas
Hão de ainda se apertar cada vez mais!

Publicações relacionadas

De que cor? De que cor? (Nicolás Guillén) De...
O silêncio e o mar O silêncio e o mar (Mario Benedetti) Do livr...
A Cachoeira A Cachoeira (Castro Alves) MAS SÚBITO da noite no arrepio Um mugido soturno ...
Precursores Precursores (Walt Whitman) Como são eles colocados sobre a terra (surgindo a...

Deixe uma resposta