Volúpia Imortal

Print Friendly, PDF & Email

Volúpia Imortal (Augusto dos Anjos)

Cuidas que o genesíaco prazer,
Fome do átomo e eurítmico transporte
De todas as moléculas, aborte
Na hora em que a nossa carne apodrecer?!

Não! Essa luz radial, em que arde o Ser,
Para a perpetuação da Espécie forte,
Tragicamente, ainda depois da morte,
Dentro dos ossos, continua a arder!

Surdos destarte a apóstrofes e brados,
Os nossos esqueletos descamados,
Em convulsivas contorções sensuais,

Haurindo o gás sulfídrico das covas,
Com essa volúpia das ossadas novas
Hão de ainda se apertar cada vez mais!

Publicações relacionadas

Por que cantamos Por que cantamos (Mario Benedetti) Do livro ...
A alcova A alcova (Fernando Pessoa) Desce não se por onde Até não me encontrar. ...
Quando em teu colo deitei a ca... Quando em teu colo deitei a cabeça, meu camarada (Walt Whitman) ...
Decadência Decadência (Augusto dos Anjos) Iguais às linhas perpendiculares Caíram, como...

Deixe uma resposta