Tulipa real

Print Friendly, PDF & Email

Tulipa real (Cruz e Souza)

Carne opulenta, majestosa, fina,
Do sol gerada nos febris carinhos,
Há músicas, há cânticos, há vinhos
Na tua estranha boca sulferina.

A forma delicada e alabastrina
Do teu corpo de límpidos arminhos
Tem a frescura virginal dos linhos
E da neve polar e cristalina.

Deslumbramento de luxúria e gozo,
Vem dessa carne o travo aciduloso
De um fruto aberto aos tropicais mormaços.

Teu coração lembra a orgia dos triclínios…
E os reis dormem bizarros e sangüíneos
Na seda branca e pulcra dos teus braços.

Publicações relacionadas

Preparação para a morte Preparação para a morte (Manuel Bandeira) A vida é um milagre. Cada flor, C...
Minha Finalidade Minha Finalidade (Augusto dos Anjos) Turbilhão teleológico incoercível, Que ...
Grande desejo Grande desejo (Adélia Prado) Não sou matrona, mãe dos Gracos, Cornélia, sou...
O menino doente O menino doente (Manuel Bandeira) O menino dorme. Para que o menino Durm...

Deixe uma resposta