Minha Desgraça

Print Friendly, PDF & Email

Minha Desgraça (Álvares de Azevedo)

Minha desgraça não é ser poeta,
Nem na terra de amor não ter um eco,
E meu anjo de Deus, o meu planeta
Tratar-me como trata-se um boneco…

Não é andar de cotovelos rotos,
Ter duro como pedra o travesseiro…
Eu sei… O mundo é um lodaçal perdido
Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro…

Minha desgraça, ó cândida donzela,
O que faz que o meu peito blasfema,
É ter para escrever todo um poema
E não ter um vintém para uma vela.

Publicações relacionadas

Un Poeta Sajón Un Poeta Sajón (Jorge Luis Borges) Tú cuya carne, hoy dispersión y polvo, P...
Bendito seja o Mesmo Sol Bendito seja o Mesmo Sol (Alberto Caeiro) ...
Caranguejola Caranguejola (Mário de Sá Carneiro) Ah, que me metam entre cobertores, E nã...
Tengo Tengo (Nicolás Guillén) De Tengo Cuando me veo y t...

Deixe uma resposta