Chove ? Nenhuma chuva cai…

Print Friendly, PDF & Email

Chove ? Nenhuma chuva cai… (Fernando Pessoa)

Chove ? Nenhuma chuva cai…
Então onde é que eu sinto um dia
Em que ruído da chuva atrai
A minha inútil agonia ?
Onde é que chove, que eu o ouço ?
Onde é que é triste, ó claro céu ?
Eu quero sorrir-te, e não posso,
Ó céu azul, chamar-te meu…

E o escuro ruído da chuva
É constante em meu pensamento.
Meu seré a invisível curva
Traçada pelo som do vento…

E eis que ante o sol e o azul do dia,
Como se a hora me estorvasse,
Eu sofro… E a luz e a sua alegria
Cai aos meus pés como um disfarce.

Ah, na minha alma sempre chove.
Há sempre escuro dentro de mim.
Se escuro, alguém dentro de mim ouve
A chuva, como a voz de um fim…

Os céus da tua face, e os derradeiros
Tons do poente segredam nas arcadas…

No claustro seqüestrando a lucidez
Um espasmo apagado em ódio à ânsia
Põe dias de ilhas vistas do convés

No meu cansaço perdido entre os gelos,
Ea cor do outono é um funeral de apelos
Pela estrada da minha dissonância…

Publicações relacionadas

A Guerra A Guerra (Alberto Caeiro) A guerra que aflige com os seus esquadrões o M...
A volta da mulher morena A volta da mulher morena (Vinicius de Moraes Meus amigos, meus irmãos, cegai ...
Para um estranho Para um estranho (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Estranho q...
La biblioteca total La biblioteca total (Jorge Luis Borges) El capricho o imaginación o utopía de...

Deixe uma resposta