O meu Olhar

Print Friendly, PDF & Email

O meu Olhar 2 (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

O meu olhar azul como o céu
É calmo como a água ao sol.
É assim, azul e calmo,
Porque não interroga nem se espanta …
Se eu interrogasse e me espantasse
Não nasciam flores novas nos prados
Nem mudaria qualquer cousa no sol de modo a ele ficar mais belo…
(Mesmo se nascessem flores novas no prado
E se o sol mudasse para mais belo,
Eu sentiria menos flores no prado
E achava mais feio o sol …
Porque tudo é como é e assim é que é,
E eu aceito, e nem agradeço,
Para não parecer que penso nisso…)

Publicações relacionadas

O poema do frade O poema do frade (Álvares de Azevedo) Fragmentos interligados Meu herói é ...
Ângelus Ângelus (Mario Benedetti) Do livro "Poemas do...
As mãos de meu pai As mãos de meu pai (Mário Quintana) As tuas mãos têm grossas veias como corda...
Afetos Afetos (Augusto dos Anjos) Bendito o amor que infiltra n’alma o enleio E san...

Deixe uma resposta