Dia

Print Friendly, PDF & Email

Dia (Adélia Prado)

As galinhas com susto abrem o bico
e param daquele jeito imóvel
– ia dizer imoral –
as barbelas e as cristas envermelhadas,
só as artérias palpitando no pescoço.
Uma mulher espantada com sexo:
mas gostando muito.

Publicações relacionadas

O Oceano O Oceano (George Gordon Byron) (Tradução de Castro Alves) Rola, Oceano pro...
A uma senhora que me pediu ver... A uma senhora que me pediu versos(Machado de Assis) Pensa em ti mesma, acha...
Círculo Círculo (Adélia Prado) Na sala de janta da pensão tinha um jogo de taças ro...
Elegia Elegia (Nicolás Guillén) De "El ...

Deixe uma resposta