Dia

Print Friendly, PDF & Email

Dia (Adélia Prado)

As galinhas com susto abrem o bico
e param daquele jeito imóvel
– ia dizer imoral –
as barbelas e as cristas envermelhadas,
só as artérias palpitando no pescoço.
Uma mulher espantada com sexo:
mas gostando muito.

Publicações relacionadas

Profissão de febre Profissão de febre (Paulo Leminski) Quando chove, Eu chovo, Faz sol, Eu fa...
As litanias de Satã (2) As litanias de Satã (2) (Charles Pierre Baudelaire) ...
Elegia ao primeiro amigo Elegia ao primeiro amigo (Vinicius de Moraes ( ... ) Serei delicado. Sou mu...
O cântico da terra O cântico da terra (Cora Coralina) Eu sou a terra, eu sou a vida. Do meu bar...

Deixe uma resposta