Dia

Print Friendly, PDF & Email

Dia (Adélia Prado)

As galinhas com susto abrem o bico
e param daquele jeito imóvel
– ia dizer imoral –
as barbelas e as cristas envermelhadas,
só as artérias palpitando no pescoço.
Uma mulher espantada com sexo:
mas gostando muito.

Publicações relacionadas

Morte de Antoninho, o Cambório... Morte de Antoninho, o Cambório (Federico Garcia Lorca) ...
Apostrofe à Carne Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos) Quando eu pego nas carnes do meu rosto....
Poema da Gare de Astapovo Poema da Gare de Astapovo (Mário Quintana) O velho Leon Tolstoi fugiu de casa...
Seu espelho é um sagaz Seu espelho é um sagaz (Mario Benedetti) Do ...

Deixe uma resposta