Eu sou trezentos

Print Friendly, PDF & Email

Eu sou trezentos (Mário de Andrade)

Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta,
As sensações renascem de si mesmas sem repouso,
Ôh espelhos, ôh! Pirineus! ôh caiçaras!
Si um deus morrer, irei no Piauí buscar outro!

Abraço no meu leito as milhores palavras,
E os suspiros que dou são violinos alheios;
Eu piso a terra como quem descobre a furto
Nas esquinas, nos táxis, nas camarinhas seus próprios beijos!

Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta,
Mas um dia afinal eu toparei comigo…
Tenhamos paciência, andorinhas curtas,
Só o esquecimento é que condensa,
E então minha alma servirá de abrigo.

Publicações relacionadas

Epigrama (Veneza, 1790) Epigrama (Veneza, 1790) (Johann Wofgang von Goethe) "Maus, para a esquerda!" ...
Um Dia de Chuva Um Dia de Chuva (Alberto Caeiro) Um dia de chuva é tão belo como um dia de so...
Confidência do Itabirano Confidência do Itabirano (Carlos Drummond de Andrade) Alguns anos vivi em Ita...
Antes do nome Antes do nome (Adélia Prado) Não me importa a palavra, esta corriqueira. Qu...

Deixe uma resposta