Lundu do Escritor Difícil

Print Friendly, PDF & Email

Lundu do Escritor Difícil (Mário de Andrade)

Eu sou um escritor difícil
Que a muita gente enquizila,
Porém essa culpa é fácil
De se acabar duma vez:
É só tirar a cortina
Que entra luz nesta escurez.

Cortina de brim caipora,
Com teia caranguejeira
E enfeite ruim de caipira,
Fale fala brasileira
Que você enxerga bonito
Tanta luz nesta capoeira
Tal-e-qual numa gupiara.

Mas gaúcho maranhense
Que pára no Mato Grosso,
Bate este angu de caroço
Ver sopa de caruru;
A vida é mesmo um buraco,
Bobo é quem não é tatu!

Eu sou um escritor difícil,
Porém culpa de quem é!…
Todo difícil é fácil,
Abasta a gente saber.
Bajé, pixé, chué, ôh “xavié”
De tão fácil virou fóssil,
O difícil é aprender!

Virtude de urubutinga
De enxergar tudo de longe!
Não carece vestir tanga
Pra penetrar meu caçanje!
Você sabe o francês “singe”
Mas não sabe o que é guariba?
— Pois é macaco, seu mano,
Que só sabe o que é da estranja.

Publicações relacionadas

Ode ao Tejo e a memória de Álv... Ode ao Tejo e a memória de Álvaro de Campos (Adolfo Casais Monteiro) E aqui e...
Porquinho-da-Índia Porquinho-da-Índia (Manuel Bandeira) Quando eu tinha seis anos Ganhei um por...
Com licença poética Com licença poética (Adélia Prado) Quando nasci um anjo esbelto, desses que ...
Os antigos invocavam as Musas Os antigos invocavam as Musas (Álvaro de Campos) Os antigos invocavam as Musa...

Deixe uma resposta