O Meu Nirvana

Print Friendly, PDF & Email

O Meu Nirvana (Augusto dos Anjos)

Olha agora, mamífero inferior,
A luz da epicurista ataraxia,
O fracasso de tua geografia
E de teu escafandro esmiuçador!

Ah! jamais saberás ser superior,
Homem, a mim, conquanto ainda hoje em dia,
Com a ampla hélice auxiliar com que outrora ia
evoando ao vento o vastíssimo vapor,

Rasgue a água hórrida a nau árdega e singre-me!
E a verticalidade da Escada íngreme:
“Homem, já transpuseste os meus degraus?!”

E Augusto, o Hércules, o Homem, aos soluços,
Ouvindo a Escada e o Mar, caiu de bruços
No pandemônio aterrador do Caos!

Publicações relacionadas

Tempos sombrios Tempos sombrios (Bertold Brecht) Realmente, vivemos tempos sombrios! A inocê...
Aceitarás o amor como eu o enc... Aceitarás o amor como eu o encaro ?... (Mário de Andrade) Aceitarás o amor co...
Quando olho para mim não me pe... Quando olho para mim não me percebo (Álvaro de Campos) Quando olho para mim n...
Quase um réquiem Quase um réquiem (Mario Benedetti) Do livro "...

Deixe uma resposta