Noite morta

Print Friendly, PDF & Email

Noite morta (Manuel Bandeira)

Noite morta.
Junto ao poste de iluminação
Os sapos engolem mosquitos.

Ninguém passa na estrada.
Nem um bêbado.

No entanto há seguramente por ela uma procissão de sombras.
Sombras de todos os que passaram.
Os que ainda vivem e os que já morreram.

O córrego chora.
A voz da noite . . .

(Não desta noite, mas de outra maior.)

Petrópolis, 1921

Publicações relacionadas

Um cadáver de poeta Um cadáver de poeta (Álvares de Azevedo) Levem ao t...
Manhã de embriaguez Manhã de embriaguez (Arthur Rimbaud) Ó meu Bem! Ó meu Belo! Fanfarra atroz em...
Expulso Por Bom Motivo Expulso Por Bom Motivo (Bertold Brecht) Eu cresci como filho De gente abasta...
Manhã Manhã (Ferreira Gullar) As portas batem as toalhas voam o dia se esbaqueia ...

Deixe uma resposta