Balõezinhos

Print Friendly, PDF & Email

Balõezinhos (Manuel Bandeira)

Na feira do arrabaldezinho
Um homem loquaz apregoa balõezinhos de cor:
— “O melhor divertimento para as crianças!”
Em redor dele há um ajuntamento de menininhos pobres,
Fitando com olhos muito redondos os grandes balõezinhos muito redondos.

No entanto a feira burburinha.
Vão chegando as burguesinhas pobres,
E as criadas das burguesinhas ricas,
E mulheres do povo, e as lavadeiras da redondeza.

Nas bancas de peixe,
Nas barraquinhas de cereais,
Junto às cestas de hortaliças
O tostão é regateado com acrimônia.

Os meninos pobres não vêem as ervilhas tenras,
Os tomatinhos vermelhos,
Nem as frutas,
Nem nada.

Sente-se bem que para eles ali na feira os balõezinhos de cor são a única mercadoria útil e
[verdadeiramente indispensável.

O vendedor infatigável apregoa:
— “O melhor divertimento para as crianças!”
E em torno do homem loquaz os menininhos pobres fazem um círculo inamovível de desejo e
[espanto.

Publicações relacionadas

Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...
Noite morta Noite morta (Manuel Bandeira) Noite morta. Junto ao poste de iluminação Os ...
Pensar em Deus Pensar em Deus (Alberto Caeiro) De O ...
País depois País depois (Mario Benedetti) Do livro "Perg...

Deixe uma resposta