Balõezinhos

Print Friendly, PDF & Email

Balõezinhos (Manuel Bandeira)

Na feira do arrabaldezinho
Um homem loquaz apregoa balõezinhos de cor:
— “O melhor divertimento para as crianças!”
Em redor dele há um ajuntamento de menininhos pobres,
Fitando com olhos muito redondos os grandes balõezinhos muito redondos.

No entanto a feira burburinha.
Vão chegando as burguesinhas pobres,
E as criadas das burguesinhas ricas,
E mulheres do povo, e as lavadeiras da redondeza.

Nas bancas de peixe,
Nas barraquinhas de cereais,
Junto às cestas de hortaliças
O tostão é regateado com acrimônia.

Os meninos pobres não vêem as ervilhas tenras,
Os tomatinhos vermelhos,
Nem as frutas,
Nem nada.

Sente-se bem que para eles ali na feira os balõezinhos de cor são a única mercadoria útil e
[verdadeiramente indispensável.

O vendedor infatigável apregoa:
— “O melhor divertimento para as crianças!”
E em torno do homem loquaz os menininhos pobres fazem um círculo inamovível de desejo e
[espanto.

Publicações relacionadas

Anunciação sem oxalá Anunciação sem oxalá (Mario Benedetti) Do l...
Um Renque de Árvores Um Renque de Árvores (Alberto Caeiro) ...
Judia Judia (Cruz e Souza) Ah! Judia! Judia impenitente! De erma e de t...
Sou meu hóspede Sou meu hóspede (Mario Benedetti) Do livro "...

Deixe uma resposta