Pergunte ao pó

Print Friendly, PDF & Email

Pergunte ao pó (Paulo Leminski)

cresce a vida
cresce o tempo
cresce tudo
e vira sempre
esse momento

cresce o ponto
bem no meio
do amor seu centro
assim como
o que a gente sente
e não diz
cresce dentro.

Publicações relacionadas

Canto íntimo Canto íntimo (Augusto dos Anjos) Meu amor, em sonhos erra, Muito longe, alti...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
O tonel do ódio O tonel do ódio (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Alvaro Reis O ...
Quem me Dera Quem me Dera (Alberto Caeiro) De O ...

Deixe uma resposta