O punhal

Print Friendly, PDF & Email

O punhal (Jorge Luis Borges)

Tradução

Em um estojo tem um punhal.
Foi forjado em Toledo, a fins do século passado;
foi dado a meu pai por Luis Melián Lafinur, que o trouxe do Uruguai;
Evaristo Carriego teve com ele algumas vezes em suas mãos.
Os que o vem tem que brincar um pouco com ele;
se percebe que faz muito que o buscavam;
a mão se apressa a apertar o cabo que a espera;
a lámina obediente e poderosa entra com precisão na bainha.
Outra coisa quer o punhal.
É mais que uma estrutura feita de metais;
os homens o pensaram e o formaram para um fim muito preciso;
é, de alguma forma eterno,
o punhal que esta noite matou um homem em Tacuarembó
e os punhais que mataram a César.
Quer matar, quer derramar sangue.
Em um estojo do escritório, entre rascunhos e cartas,
interminavelmente sonha o punhal seu sonho simples de tigre,
e a mão se anima quando o rege,
porque o metal que pressente em cada contato o homicida
para o qual o criaram os homens.
As vezes me dá pena.
Tanta dureza, tanta fé, tão amena ou inocente soberba,
e os anos passam, inúteis.

Publicações relacionadas

Não Basta Não Basta (Alberto Caeiro) Não basta abrir a janela Para ver os campos e ...
Arte de Amar Arte de Amar (Thiago de Mello Não faço poemas como quem chora, nem faço ver...
Mucho más grave Mucho más grave (Mario Benedetti) Todas las parcelas de mi vida tienen algo t...
O homem público N. 1 (Antologi... O homem público N. 1 (Antologia) (Ana Cristina Cesar) Tarde aprendi bom mes...

Deixe uma resposta