Primeiros Conselhos do Outono

Print Friendly, PDF & Email

Primeiros Conselhos do Outono (Antero de Quental)

Ouve tu, meu cansado coracao,
O que te diz a voz da Natureza:
– Mais te valera, nu e sem defesa,
Ter nascido em asperrima solidao,

Ter gemido, ainda infante, sobre o chao
Frio e cruel da mais cruel devesa,
Do que embalar-te a Fada da Beleza,
Como embalou, no berco da ilusao!

Mais valera a tua alma visionaria,
Silenciosa e triste ter passado
Por entre o mundo hostil e a turba varia,

(Sem ver uma so flor das mil, que amaste,)
Com odio e raiva e dor – que ter sonhado
Os sonhos ideais que tu sonhaste!

Publicações relacionadas

El mañana efímero El mañana efímero (Antonio Machado) A Roberto Castrovido La España de ...
Retrato Retrato (Antonio Machado) Mi infancia son recuerdos de un patio de Sevilla,...
Ofélia Ofélia (Arthur Rimbaud) Tradução de Jorge Wanderley ...
Tulipa real Tulipa real (Cruz e Souza) Carne opulenta, majestosa, fina, Do so...

Deixe uma resposta