Uma Amiga

Print Friendly, PDF & Email

Uma Amiga (Antero de Quental)

Aqueles que eu amei, nao sei que vento
Os dispersou no mundo, que os nao vejo…
Estendo os bracos e nas trevas beijo
Visoes que a noite evoca o sentimento…

Outros me causam mais cruel tormento
Que a saudade dos mortos… que eu invejo…
Passam por mim… mas como que tem pejo
Da minha soledade e abatimento!

Daquela primavera venturosa
Nao resta uma flor so, uma so rosa…
Tudo o vento varreu, queimou o gelo!

Tu so foste fiel – tu, como dantes,
Inda volves teus olhos radiantes…
Para ver o meu mal… e escarnece-lo!

Publicações relacionadas

Pálida Inocência Pálida Inocência (Álvares de Azevedo) Cette image du ciel - innocence et beau...
Ângulo Ângulo (Mário de Sá Carneiro) Aonde irei neste sem-fim perdido, Neste mar oc...
Tempos Idos Tempos Idos (Augusto dos Anjos) Não enterres, coveiro, o meu Passado, Tem pe...
Oração Oração (Charles Pierre Baudelaire) T...

Deixe uma resposta