Uma Amiga

Print Friendly, PDF & Email

Uma Amiga (Antero de Quental)

Aqueles que eu amei, nao sei que vento
Os dispersou no mundo, que os nao vejo…
Estendo os bracos e nas trevas beijo
Visoes que a noite evoca o sentimento…

Outros me causam mais cruel tormento
Que a saudade dos mortos… que eu invejo…
Passam por mim… mas como que tem pejo
Da minha soledade e abatimento!

Daquela primavera venturosa
Nao resta uma flor so, uma so rosa…
Tudo o vento varreu, queimou o gelo!

Tu so foste fiel – tu, como dantes,
Inda volves teus olhos radiantes…
Para ver o meu mal… e escarnece-lo!

Publicações relacionadas

Canção da mais alta torre Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud) Tradução de...
O dorminhoco do vale O dorminhoco do vale (Arthur Rimbaud) Tradução de Rodrigo Solano Era um ...
Las moscas Las moscas (Antonio Machado) Vosotras, las familiares, inevitables golosas, ...
Assim como falham as palavras Assim como falham as palavras (Alberto Caeiro) Assim como falham as palavr...

Deixe uma resposta