Madona da Tristeza

Print Friendly, PDF & Email

Madona da Tristeza (Cruz e Souza)

Quando te escuto e te olho reverente
E sinto a tua graça triste e bela
De ave medrosa, tímida, singela,
Fico a cismar enternecidamente.

Tua voz, teu olhar, teu ar dolente
Toda a delicadeza ideal revela
E de sonhos e lágrimas estrela
O meu ser comovido e penitente.

Com que mágoa te adoro e te contemplo,
Ó da Piedade soberano exemplo,
Flor divina e secreta da Beleza.

Os meus soluços enchem os espaços
Quando te aperto nos estreitos braços,
solitária madona da Tristeza!

Publicações relacionadas

Um morto alegre Um morto alegre (Charles Pierre Baudelaire) ...
O fazedor de amanhecer O fazedor de amanhecer (Manoel de Barros) Sou leso em tratagens com máquina. ...
Dobrada à moda do porto Dobrada à moda do porto (Álvaro de Campos) Um dia, num restaurante, fora do e...
Há Poetas que são Artistas Há Poetas que são Artistas (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta