Madona da Tristeza

Print Friendly, PDF & Email

Madona da Tristeza (Cruz e Souza)

Quando te escuto e te olho reverente
E sinto a tua graça triste e bela
De ave medrosa, tímida, singela,
Fico a cismar enternecidamente.

Tua voz, teu olhar, teu ar dolente
Toda a delicadeza ideal revela
E de sonhos e lágrimas estrela
O meu ser comovido e penitente.

Com que mágoa te adoro e te contemplo,
Ó da Piedade soberano exemplo,
Flor divina e secreta da Beleza.

Os meus soluços enchem os espaços
Quando te aperto nos estreitos braços,
solitária madona da Tristeza!

Publicações relacionadas

Terza Rima Terza Rima (Álvares de Azevedo) É belo dentre a cinza ver ardendo Nas mãos d...
Nada É Impossível De Mudar Nada É Impossível De Mudar (Bertold Brecht) Desconfiai do mais trivial , na...
Como Bem Sei Como Bem Sei (Bertold Brecht) Como bem sei Os impuros viajam para o inferno ...
A legião dos úrias A legião dos úrias (Vinicius de Moraes Quando a meia-noite surge nas estradas...

Deixe uma resposta