A Louca

Print Friendly, PDF & Email

A Louca (Augusto dos Anjos)

A Dias Paredes

Quando ela passa: – a veste desgrenhada,
O cabelo revolto em desalinho,
No seu olhar feroz eu adivinho
O mistério da dor que a traz penada.

Moça, tão moça e já desventurada;
Da desdita ferida pelo espinho,
Vai morta em vida assim pelo caminho,
No sudário de mágoa sepultada.

Eu sei a sua história. – Em seu passado
Houve um drama d’amor misterioso
– O segredo d’um peito torturado –

E hoje, para guardar a mágoa oculta,
Canta, soluça – coração saudoso,
Chora, gargalha, a desgraçada estulta.

Publicações relacionadas

Os maus e os bons Os maus e os bons (Bertold Brecht) "Os maus temem tuas garras Os bons se al...
Dizes-me Dizes-me (Alberto Caeiro) Dizes-me: tu és mais alguma cousa Que uma p...
Quero quero Quero quero (Manuel Bandeira) Quero a solidão dos píncaros A água da fonte e...
Octavio Paz: o último mandarim... Octavio Paz: o último mandarim intelectual (Octavio Paz) Tradução de Ma...

Deixe uma resposta