Canção da mais alta torre

Print Friendly, PDF & Email

Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud)

Tradução de Daniel Fresnot

Ociosa juventude
A tudo oprimida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! Que venha o dia
Em que os corações se amem.

Eu me dissea: cessa,
E ninguém te via:
E sem a promessa
De mais alta alegria.
Que nada te detenha
Grandiosa retirada.

Tive tanta paciência
Que para sempre esqueço;
Temor e penitência
Aos céus partiram.
E a sede doentia
Me escurece as veias.

Assim o prado
Ao esquecimento deixado,
Engrandece, e floresce
De joio e incenso
Ao zumbir tenso
De cem moscas sujas.

Ah! Tanta viuvez
Da alma que chora
E só tem a imagem
Da Nossa Senhora!
Será que se ora
À Virgem Maria?

Ociosa juventude
A tudo oprimida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! Que venha o dia
Em que os coraçõres se amem!

Publicações relacionadas

Manuscritos de Felipa Manuscritos de Felipa - trechos do livro (Adélia Prado) "Preciso descobrir se...
Mi Buenos Aires querido Mi Buenos Aires querido (Juan Gelman) Do livro ...
O Meu Impossível O Meu Impossível (Florbela Espanca) Minh'alma ardente é uma fogueira acesa, ...
Primavera Primavera (Augusto dos Anjos) ...

Deixe uma resposta