Canção da mais alta torre

Print Friendly, PDF & Email

Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud)

Tradução de Daniel Fresnot

Ociosa juventude
A tudo oprimida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! Que venha o dia
Em que os corações se amem.

Eu me dissea: cessa,
E ninguém te via:
E sem a promessa
De mais alta alegria.
Que nada te detenha
Grandiosa retirada.

Tive tanta paciência
Que para sempre esqueço;
Temor e penitência
Aos céus partiram.
E a sede doentia
Me escurece as veias.

Assim o prado
Ao esquecimento deixado,
Engrandece, e floresce
De joio e incenso
Ao zumbir tenso
De cem moscas sujas.

Ah! Tanta viuvez
Da alma que chora
E só tem a imagem
Da Nossa Senhora!
Será que se ora
À Virgem Maria?

Ociosa juventude
A tudo oprimida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! Que venha o dia
Em que os coraçõres se amem!

Publicações relacionadas

Soneto da Fidelidade Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes De tudo, ao meu amor serei atento ...
Manuscritos de Felipa Manuscritos de Felipa - trechos do livro (Adélia Prado) "Preciso descobrir se...
Evocação do Recife Evocação do Recife (Manuel Bandeira) Recife Não a Veneza americana Não a Ma...
Quem me Dera Quem me Dera (Alberto Caeiro) De O ...

Deixe uma resposta