Ironia de lágrimas

Print Friendly, PDF & Email

Ironia de lágrimas (Cruz e Souza)

Junto da Morte é que floresce a Vida!
Andamos rindo junto à sepultura.
A boca aberta, escancarada, escura
Da cova é como flor apodrecida.

A Morte lembra a estranha Margarida
Do nosso corpo, Fausto sem ventura…
Ela anda em torno a toda a criatura
Numa dança macabra indefinida.

Vem revestida em suas negras sedas
E a marteladas lúgubrees e tredas
Das ilusões o eterno esquife prega.

E adeus caminhos vãos, mundos risonhos,
Lá vem a loba que devora os sonhos,
Faminta, absconsa, imponderada, cega!

Publicações relacionadas

Uma Vida e Seu Ofício Uma Vida e Seu Ofício (Thiago de Mello Por Erorci Santana Claridão e antem...
Sete canções de declínio Sete canções de declínio (Mário de Sá Carneiro) 1 Um vago tom de opala ...
Parâmetro Parâmetro (Adélia Prado) Deus é mais belo que eu. E não é jovem. Isto sim, ...
Descobrimento Descobrimento (Carlos Drummond de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Pau...

Deixe uma resposta