Ironia de lágrimas

Print Friendly, PDF & Email

Ironia de lágrimas (Cruz e Souza)

Junto da Morte é que floresce a Vida!
Andamos rindo junto à sepultura.
A boca aberta, escancarada, escura
Da cova é como flor apodrecida.

A Morte lembra a estranha Margarida
Do nosso corpo, Fausto sem ventura…
Ela anda em torno a toda a criatura
Numa dança macabra indefinida.

Vem revestida em suas negras sedas
E a marteladas lúgubrees e tredas
Das ilusões o eterno esquife prega.

E adeus caminhos vãos, mundos risonhos,
Lá vem a loba que devora os sonhos,
Faminta, absconsa, imponderada, cega!

Publicações relacionadas

Memorándum Memorándum (Mario Benedetti) Uno llegar e incorporarse el día Dos respirar ...
Uma Vida e Seu Ofício Uma Vida e Seu Ofício (Thiago de Mello Por Erorci Santana Claridão e antem...
Solitário Solitário (Augusto dos Anjos) Como um fantasma que se refugia Na solidão da ...
Sabete aquí Sabete aquí (Mario Benedetti) Podés querer el alba cuando quieras he cons...

Deixe uma resposta