A alma do homem sob o socialismo

Print Friendly, PDF & Email

A alma do homem sob o socialismo (Oscar Wilde)

” A educação é uma coisa admirável. Mas é sempre bom lembrar, de tempos em tempos, que nada daquilo que realmente vale a pena saber pode ser ensinado”.

” …a caridade é uma forma ridícula e inadequada de restituição parcial ou esmola piedosa, em geral acompanhada de alguma tentativa por parte da alma apiedada de tiranizar suas vidas”.

“A desobediência é, aos olhos de qualquer estudioso de História, a virtude original do homem. É através da desobediência que se faz o progresso, através da desobediência e da rebelião.”

“Eis a razão porque os agitadores são tão necessários. Sem eles, em nosso Estado imperfeito, não haveria nenhum avanço rumo à civilização.

“Posso compreender que um homem aceite as leis que protegem a propriedade privada e admita sua acumulação, desde que nessas circunstância ele próprio seja capaz de atingir alguma forma de existência harmoniosa e intelectual. Parece-me, porém, quase inacreditável que um homem cuja existência se perdeu e abrutalhou por força dessas mesmas leis possa vir a concordar com sua vigência.”

“É lamentável que parte de nossa comunidade social viva praticamente escravizada, mas é ingenuidade propor-se resolver o problema submetendo toda a comunidade à escravidão. Todo homem tem o direito de ser inteiramente livre para escolher seu próprio trabalho. Não deve sofrer nenhuma forma de coação. Se alguma houver, seu trabalho não será bom para ele, nem em si mesmo, nem para os outros. E por trabalho entendo simplesmente atividade de qualquer espécie.”

“Todo homem tem o direito de ser inteiramente livre para escolher seu próprio trabalho. Não deve sofrer nenhuma forma de coação. Se alguma houver, seu trabalho não será bom para ele, nem em si mesmo, nem para os outros. E por trabalho entendo simplesmente atividade de qualquer espécie.”

“É necessário que toda a associação seja voluntária, pois somente numa associação voluntária o homem é justo.”

“…nas condições atuais, uns poucos homens que dispunham de recursos próprios, como Byron, Shelley, Browing, Victor Hugo, Baudelaire e outros, conseguiram dar expressão à sua individualidade de forma mais ou menos completa. Nenhum desses homens trabalhou um só dia como assalariado. ”

“…o homem passou a achar que o importante era ter, e não viu que o importante era ser. A verdadeira perfeição reside no que o homem tem, mas no que o homem é.”

“…toda autoridade é degradante. Degrada aqueles que a exercem, como aqueles sobre quem é exercida.”

“A democracia, por sua vez, despertara grandes esperanças; mas descobriu-se que ela significa simplesmente o esmagamento do povo, pelo povo e para o povo. Devo dizer que essa descoberta não veio sem tempo, pois toda autoridade é degradante. Degrada aqueles que a exercem, como aqueles sobre quem é exercida.”

“Os indivíduos … atravessam a vida numa espécie rude de conforto, como animais domesticados, sem jamais se darem conta de que estão pensando pensamentos alheios, vestindo praticamente o que se pode chamar de roupas usadas do alheio, em nunca serem eles mesmos por um único momento.”

“…uma sociedade se embrutece infinitamente mais pelo emprego freqüente da punição do que pela ocorrência eventual do crime.”

“O homem foi feito para algo melhor que estar imerso na imundície. Todo trabalho desta sorte deveria ser feito por máquinas.”

“Até hoje, o homem vem sendo, em certa medida, escravo das máquinas; e há algo de trágico no fato de que, tão logo inventou a máquina para trabalhar por ele, o homem tenha começado a passar fome.”

“Todo o trabalho não intelectual, todo o trabalho monótono e desinteressante, todo o trabalho que lide com coisas perigosas e implique condições desagradáveis, deve ser realizados por máquinas.”

“Atualmente as máquinas competem com o homem. Em condições adequadas, servirão ao homem. Nào resta dúvida que esse será o futuro das máquinas.”

“Como mencionei a palavra trabalho, não posso me furtar a dizer que há muito disparate no que se escreve e discute atualmente sobre a dignidade do trabalho braçal. Nada há necessariamente digno nesse trabalho, em sua maior parte aviltante. É prejudicial ao homem, do ponto de vista mental e moral, realizar qualquer coisa em que não encontre prazer, e muitas das formas de trabalho são atividades completamente desprezíveis, e assim devem ser encaradas. Varrer durante oito horas uma esquina lamacenta, num dia açoitado pelo vento leste, é uma ocupação desagradável. Varrê-la com dignidade mental, moral ou física, parece-me impossível. Varrê-la com satisfação é de estarrecer. O homem foi feito para algo melhor que estar imerso na imundície. Todo trabalho desta sorte deveria ser feito por máquinas.”

“Até hoje o homem vem sendo, em certa medida, escravo das máquinas, e há algo de trágico no fato de que tão logo inventou a máquina para trabalhar por ele, o homem tenha começado a passar fome. Isto decorre, no entanto, de nosso sistema de propriedade e de nosso sistema competitivo. Um único homem possui a máquina que executa o trabalho de quinhentos homens. Logo, quinhentos homens são postos na rua; sem trabalho e vítimas da fome, passam a roubar. Aquele homem sozinho detém e estoca a produçào da máquina. Possui quinhentas vezes mais do que deveria possuir e provavelmente, o que é ainda mais importante, possui bem mais do que realmente quer. Fosse a máquina propriedade de todos, e todos se beneficiariam dela. Proporcionaria uma vantagem imensa à sociedade. Todo trabalho não intelectual, todo trabalho monótono e desinteressante, todo trabalho, todo o trabalho que lide com coisas perigosas e implique condições desagradáveis, deve ser realizado por máquinas. Por nós devem as máquinas trabalhar nas minas de carvão e executar todos os serviços sanitários, e ser foguista das embarcações a vapores, e limpar as ruas, e levar mensagens em dias chuvosos e fazer tudo o que seja maçante ou penoso. Atualmente, as máquinas competem com o homem. Em condições adequadas, servirão ao homem. Não resta dúvida de que esse será o futuro da máquinas.”

“O progresso é a concretização de Utopias.”

“Um mapa-múndi que não inclua a Utopia não é digno de consulta, pois deixa de fora as terras que a Humanidade está sempre aportando. E nelas aportando, sobe à gávea e, se divisa terras melhores, torna a içar velas. O progresso é a concretização de Utopias.”

“Uma obra de arte é o resultado singular de um temperamento singular. Sua beleza provém de ser o autor quem é, e nada tem a ver com as outras pessoas quererem o que querem.”

“A arte nunca deveria aspirar à popularidade, mas o público deve aspirar a se tornar artístico.”

“Antigamente, os homens tinham a roda de torturas. Hoje, têm a Imprensa. Isto certamente é um progresso. Mas ainda é má, injusta e desmoralizante.”

“A vida particular dos homens ou das mulheres não deveria ser reveladas ao público. Este não tem nada absolutamente a ver com ela.”

“A obra de arte deve dominar o espectador, e não o espectador dominar a obra de arte. O espectador deve ser receptivo.

Publicações relacionadas

Quadrilha Quadrilha (Carlos Drummond de Andrade) João amava Teresa que amava Raimundo ...
As cousas do mundo As cousas do mundo (Gregório de Matos) Neste mundo é mais rico o que mais ra...
Não te salves Não te salves (Mario Benedetti) Não fiques parado a beira do caminho, não c...
Citações de David Lawrence Citações de David Lawrence (David Hebert Lawrence) Contudo, dir-se-ia que o...

Deixe uma resposta