Num Monumento à Aspirina

Print Friendly, PDF & Email

Num Monumento à Aspirina (João Cabral de Melo Neto)

A Educação pela Pedra

Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda a hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia. …

Publicações relacionadas

Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...
Canção do pintor Hitler Canção do pintor Hitler (Bertold Brecht) 1 Hitler, o pintor de paredes Di...
Desejos Vãos Desejos Vãos (Florbela Espanca) Eu queria ser o Mar de altivo porte Que ri ...
O poeta pede a seu amor que lh... O poeta pede a seu amor que lhe escreva (Federico Garcia Lorca) Amor de ...

Deixe uma resposta