Num Monumento à Aspirina

Print Friendly, PDF & Email

Num Monumento à Aspirina (João Cabral de Melo Neto)

A Educação pela Pedra

Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda a hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia. …

Publicações relacionadas

Fim Fim (Mário de Sá Carneiro) Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos salto...
Vintém de Cobre Vintém de Cobre (Cora Coralina) (Freudian...
Não discuto Não discuto (Paulo Leminski) não discuto com o destino o que pinta...
Objeto de amar Objeto de amar (Adélia Prado) De tal ordem é e tão precioso o que devo dize...

Deixe uma resposta