Num Monumento à Aspirina

Print Friendly, PDF & Email

Num Monumento à Aspirina (João Cabral de Melo Neto)

A Educação pela Pedra

Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda a hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia. …

Publicações relacionadas

Adélia por Adélia Adélia por Adélia (Adélia Prado) "Uma das mais remotas experiências poéticas ...
Se Eu Pudesse Se Eu Pudesse (Alberto Caeiro) De O...
Para ler de manhã e à noite Para ler de manhã e à noite (Bertold Brecht) Aquele que amo Disse-me Que pr...
O Pastor Amoroso O Pastor Amoroso (Alberto Caeiro) O pastor amoroso perdeu o cajado, ...

Deixe uma resposta