Os poemas

Print Friendly, PDF & Email

Os poemas (Mário Quintana)

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…

Publicações relacionadas

A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Se é lei, que rege o escuro pensamento, S...
Dinheiro Dinheiro (Álvares de Azevedo) Oh! argent! Avec toi on est beau, jeune, adoré;...
Minha vida inteira Minha vida inteira (Jorge Luis Borges) Tradução Aqui outra vez, os lábios ...
Vox Victiae Vox Victiae (Augusto dos Anjos) Morto! Consciência quieta haja o assassino ...

Deixe uma resposta