Num Dia de Verão

Print Friendly, PDF & Email

Num Dia de Verão (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Como quem num dia de Verão abre a porta de casa
E espreita para o calor dos campos com a cara toda,
Às vezes, de repente, bate-me a Natureza de chapa
Na cara dos meus sentidos,
E eu fico confuso, perturbado, querendo perceber
Não sei bem como nem o quê…
Mas quem me mandou a mim querer perceber?
Quem me disse que havia que perceber?

Quando o Verão me passa pela cara
A mão leve e quente da sua brisa,
Só tenho que sentir agrado porque é brisa
Ou que sentir desagrado porque é quente,
E de qualquer maneira que eu o sinta,
Assim, porque assim o sinto, é que é meu dever senti-lo…

Publicações relacionadas

Expulso Por Bom Motivo Expulso Por Bom Motivo (Bertold Brecht) Eu cresci como filho De gente abasta...
Auto-retrato Auto-retrato (Manuel Bandeira) Provinciano que nunca soube Escolher bem uma ...
Elegia Elegia (Nicolás Guillén) De "El ...
Canção da mais alta torre Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud) Tradução de...

Deixe uma resposta