É Noite

Print Friendly, PDF & Email

É Noite (Alberto Caeiro)

É noite. A noite é muito escura. Numa casa a uma grande distância
Brilha a luz duma janela.
Vejo-a, e sinto-me humano dos pés à cabeça.
É curioso que toda a vida do indivíduo que ali mora, e que não sei quem é,
Atrai-me só por essa luz vista de longe.
Sem dúvida que a vida dele é real e ele tem cara, gestos, família e profissão.

Mas agora só me importa a luz da janela dele.
Apesar de a luz estar ali por ele a ter acendido,
A luz é a realidade imediata para mim.
Eu nunca passo para além da realidade imediata.
Para além da realidade imediata não há nada.
Se eu, de onde estou, só veio aquela luz,
Em relação à distância onde estou há só aquela luz.
O homem e a família dele são reais do lado de lá da janela.
Eu estou do lado de cá, a uma grande distância.
A luz apagou-se.
Que me importa que o homem continue a existir?

Publicações relacionadas

Clearly Non-Campos! Clearly Non-Campos! (Álvaro de Campos) Não sei qual é o sentimento, ainda ine...
La casada infiel La casada infiel (Federico Garcia Lorca) A Lydia Cabrera...
O que aconteceu comigo O que aconteceu comigo (Vladmir Maiakowski) Tradu...
Tratado geral das grandezas do... Tratado geral das grandezas do ínfimo (Manoel de Barros) A poesia está guarda...

Deixe uma resposta