Vladmir_Maiakowski

Clamo

Print Friendly, PDF & Email

Clamo (Vladmir Maiakowski)

Tradução de E. Carrera Guerra

Levantei-o como um atleta,
levei-o como um acrobata,
como se levam os candidatos ao comício,
como nas aldeias se toca a rebate
nos dias de incêndio.
Clamava:
“Aqui está, aqui! Tomai-o!”
Quando este corpanzil se punha a uivar,
as donas
disparando
pelo pó, pelo barro ou pela neve,
como um foguete fugiam de mim.
– “Para nós, algo um tanto menor,
algo assim como um tango…”
Não posso levá-lo
e carrego meu fardo. Quero arremessá-lo fora
e sei, não o farei.
Os arcos de minhas costelas não resistem.
Sob a pressão
range a caixa torácica.

Publicações relacionadas

Inviation au Voyage Inviation au Voyage (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Felipe D’Olivei...
Os Deuses Os Deuses (Ricardo Reis) Os deuses desterrados. Os irmãos de Saturno, Às ...
Manhã de embriaguez Manhã de embriaguez (Arthur Rimbaud) Ó meu Bem! Ó meu Belo! Fanfarra atroz em...
Quase um réquiem Quase um réquiem (Mario Benedetti) Do livro "...

Deixe uma resposta