Vladmir_Maiakowski

Clamo

Print Friendly, PDF & Email

Clamo (Vladmir Maiakowski)

Tradução de E. Carrera Guerra

Levantei-o como um atleta,
levei-o como um acrobata,
como se levam os candidatos ao comício,
como nas aldeias se toca a rebate
nos dias de incêndio.
Clamava:
“Aqui está, aqui! Tomai-o!”
Quando este corpanzil se punha a uivar,
as donas
disparando
pelo pó, pelo barro ou pela neve,
como um foguete fugiam de mim.
– “Para nós, algo um tanto menor,
algo assim como um tango…”
Não posso levá-lo
e carrego meu fardo. Quero arremessá-lo fora
e sei, não o farei.
Os arcos de minhas costelas não resistem.
Sob a pressão
range a caixa torácica.

Publicações relacionadas

Os antigos invocavam as Musas Os antigos invocavam as Musas (Álvaro de Campos) Os antigos invocavam as Musa...
Agonia de um Filósofo Agonia de um Filósofo (Augusto dos Anjos) Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obso...
Eterna Mágoa Eterna Mágoa (Augusto dos Anjos) O homem por sobre quem caiu a praga Da tris...
Quando analiso a conquistada f... Quando analiso a conquistada fama (Walt Whitman) Quando analiso a conquistad...

Deixe uma resposta