Vladmir_Maiakowski

Clamo

Print Friendly, PDF & Email

Clamo (Vladmir Maiakowski)

Tradução de E. Carrera Guerra

Levantei-o como um atleta,
levei-o como um acrobata,
como se levam os candidatos ao comício,
como nas aldeias se toca a rebate
nos dias de incêndio.
Clamava:
“Aqui está, aqui! Tomai-o!”
Quando este corpanzil se punha a uivar,
as donas
disparando
pelo pó, pelo barro ou pela neve,
como um foguete fugiam de mim.
– “Para nós, algo um tanto menor,
algo assim como um tango…”
Não posso levá-lo
e carrego meu fardo. Quero arremessá-lo fora
e sei, não o farei.
Os arcos de minhas costelas não resistem.
Sob a pressão
range a caixa torácica.

Publicações relacionadas

A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Se é lei, que rege o escuro pensamento, S...
Gênio das trevas lúgubres, aco... Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos) Soneto Gênio das ...
Canção da mais alta torre Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud) Tradução de...
O Fim Das Coisas O Fim Das Coisas (Augusto dos Anjos) Pode o homem bruto, adstricto à ciência ...

Deixe uma resposta