Não te salves

Print Friendly, PDF & Email

Não te salves (Mario Benedetti)

Não fiques parado
a beira do caminho,
não congeles o júbilo,
não queiras sem vontade,
não te salves agora
nem nunca
Não te salves

Não te enchas de calma,
não reserves do mundo,
apenas um rincão tranqüilo
não deixes cair as pálpebras
pesadas como juízos,
não fiques sem lábios,
não fiques sem sonhos,
não penses sem sangue,
não te julgues sem tempo.

Mas se
apesar de tudo,
não pode evitar;
e congelas o júbilo,
e queres sem vontade,
e te salvas agora,
e te enches de calma,
e reservas do mundo,
apenas um rincão tranqüilo,
e deixas cair as pálpebras
pesadas como juízos,
e te secas os lábios,
e dormes sem sonho,
e pensas sem sangue,
e te julgas sem tempo,
e ficas parado
à beira do caminho,
e te salvas;
então
não fiques comigo.

Publicações relacionadas

Com licença poética Com licença poética (Adélia Prado) Quando nasci um anjo esbelto, desses que ...
Sensorial Sensorial (Adélia Prado) Obturação, é da amarela que eu ponho. Pimenta e ...
Ninguém me Habita Ninguém me Habita (Thiago de Mello Ninguém me habita. A não ser o milagre d...
Os poemas Os poemas (Mário Quintana) Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de ...

Deixe uma resposta