Ara maldita

Print Friendly, PDF & Email

Ara maldita (Augusto dos Anjos)

Como um’ave, cindindo os céus risonhos,
Meiga, tu vinhas a cindir os ares,
E, qual hóstia, caindo dos altares,
Foste caindo n’ara dos meus sonhos.

E eu vi os seios teus virem inconhos
– Esses teus seios que os cerúleos lares
Branquejaram de eternos nenufares,
Para nunca tocarem negros sonhos!

Caíste enfim no meu sacrário ardente,
Quiseste-me beijar a ara do peito,
E eu quis beijar-te o lábio redolente.

E beijei-te, mas eis que neste enleio,
Tocando n’ara negra o níveo seio,
Caíste morta ao celestial preceito.

Publicações relacionadas

Por entre o Beberibe, e o Ocea... Por entre o Beberibe, e o Oceano (Gregório de Matos) Por entre o Beberibe, e...
Sabete aquí Sabete aquí (Mario Benedetti) Podés querer el alba cuando quieras he cons...
Os sapos Os sapos (Manuel Bandeira) Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos...
Dos milagres Dos milagres (Mário Quintana) O milagre não é dar vida ao corpo extinto, Ou ...

Deixe uma resposta