Ara maldita

Print Friendly, PDF & Email

Ara maldita (Augusto dos Anjos)

Como um’ave, cindindo os céus risonhos,
Meiga, tu vinhas a cindir os ares,
E, qual hóstia, caindo dos altares,
Foste caindo n’ara dos meus sonhos.

E eu vi os seios teus virem inconhos
– Esses teus seios que os cerúleos lares
Branquejaram de eternos nenufares,
Para nunca tocarem negros sonhos!

Caíste enfim no meu sacrário ardente,
Quiseste-me beijar a ara do peito,
E eu quis beijar-te o lábio redolente.

E beijei-te, mas eis que neste enleio,
Tocando n’ara negra o níveo seio,
Caíste morta ao celestial preceito.

Publicações relacionadas

A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - I (Oscar Wilde) CAPÍTULO I Quando mister Hiram B. O...
Epístola sobre o suicídio Epístola sobre o suicídio (Bertold Brecht) ...
Romanxe de Nossa Señora da Bar... Romanxe de Nossa Señora da Barca (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos ...
Enquanto a chuva cai Enquanto a chuva cai (Manuel Bandeira) A chuva cai. O ar fica mole . . . Ind...

Deixe uma resposta