Asa do corvo

Print Friendly, PDF & Email

Asa do corvo (Augusto dos Anjos)

Asa de corvos carniceiros, asa
De mau agouro que, nos doze meses,
Cobre às vezes o espaço e cobre às vezes
O telhado de nossa própria casa…

Perseguido por todos os reveses,
É meu destino viver junto a essa asa,
Como a cinza que vive junto à brasa,
Como os Goncourts, como os irmãos siameses!

È com essa asa que eu faço este soneto
E a indústria humana faz o pano preto
Que as famílias de luto martiriza…

É ainda com essa asa extraordinária
Que a Morte – a costureira funerária –
Cose para o homem a última camisa!

Publicações relacionadas

Gênio das trevas lúgubres, aco... Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos) Soneto Gênio das ...
Pareceu-me inda ouvir… Pareceu-me inda ouvir... (Augusto dos Anjos) Pareceu-me inda ouvir o nome del...
Minha terra tem palmares Minha terra tem palmares (Oswald de Andrade) Minha terra tem palmares Onde g...
Minha grande ternura Minha grande ternura (Manuel Bandeira) Minha grande ternura Pelos passarinho...

Deixe uma resposta