André Chénier

Print Friendly, PDF & Email

André Chénier (Augusto dos Anjos)

Na real magnificência dos gigantes
Grave como um lacedemônio harmoste
André Chénier ia subir ao poste
A que Luís XVI subira dantes!

Que a sua morte a homem nenhum desgoste
E incite o heroísmo das nações distantes!…
Por isso, ele, a morrer, canta vibrantes
Versos divinos que arrebatam a hoste.

Não há quem nele um só tremor denote!
– Continua a cantar, a alma serena…
Mas, de repente, pressentindo a lousa,

Batendo com a cabeça no barrote
Da guilhotina, diz ao povo: – “É pena!
– Aqui ainda havia alguma cousa…”

Publicações relacionadas

Vilegiatura Vilegiatura (Álvaro de Campos) O sossego da noite, na vilegiatura do alto; O...
Decadência Decadência (Augusto dos Anjos) Iguais às linhas perpendiculares Caíram, como...
Madona da Tristeza Madona da Tristeza (Cruz e Souza) Quando te escuto e te olho reverente E sin...
Poema Sujo – um fragment... Poema Sujo - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) Mas na cidade havi...

Deixe uma resposta