Noiturno do Adoescente Morto

Print Friendly, PDF & Email

Noiturno do Adoescente Morto (Federico Garcia Lorca)

Seis Poemas Galegos (1935)

IMOS silandeiros orela do vado
pra ver o adoescente afogado.

Imos silandeiros veiriña do ar,
antes que ise rio o leve pro mar.

Súa i-alma choraba, ferida e pequena
embaixo os arumes de pinos e d’herbas,

Agoa despenada baixaba da lúa
cobrindo de lirios a montana núa.

O vento deixaba camelias de soma
na lumiera murcha da súa triste boca.

¡Vinde mozos loiros do monte e do prado
pra ver o adoescente afogado!

¡Vinde xente escura do cume e do val
antes que ise río o leve pro mar!

O leve pro mar de curtiñas brancas
onde van e vên vellos bois de ágoa.

¡Ay, como cantaban os albres do Sil
sobre a verde lúa, como un tamboril!

¡Mozos, imos, vinde, aixiña, chegar
porque xa ise río m’o leva pra o mar!

Publicações relacionadas

Trindade Trindade (Álvares de Azevedo) A vida é uma planta misteriosa Cheia d’espinho...
A Noite Desce A Noite Desce (Alberto Caeiro) A noite desce, o calor soçobra um pouco...
O Tejo é mais Belo O Tejo é mais Belo (Alberto Caeiro) ...
Em pé Em pé (Mario Benedetti) Do livro "Inventário"...

Deixe uma resposta