Ninho

Print Friendly, PDF & Email

Ninho (Federico Garcia Lorca)

Tradução de William Agel de Mello

O que é que guardo nestes
momentos de tristeza?
Ai! quem tala meus bosques
dourados e floridos!
Que leio no espelho
de prata comovida
que a aurora me oferece
sobre a água do rio?
Que grande olmo de idéia
se cortou em meu bosque?
que chuva de silêncio
me deixa estremecido?
Se meu amor deixei morto
na ribeira triste,
que sarçais me ocultam
algo recém-nascido?

Publicações relacionadas

Pensão familiar Pensão familiar (Manuel Bandeira) Jardim da pensãozinha burguesa. Gatos espa...
Versos d’um Exilado Versos d’um Exilado (Augusto dos Anjos) Eu vou partir. Na límpida corrente R...
Exausto Exausto (Adélia Prado) Eu quero uma licença de dormir, perdão pra descansa...
Ignoto Deo Ignoto Deo (Antero de Quental) Que belleza mortal se te assemelha, Ó sonhad...

Deixe uma resposta