Sofredora

Print Friendly, PDF & Email

Sofredora (Augusto dos Anjos)

Cobre-lhe a fria palidez do rosto
O sendal da tristeza que a desola;
Chora – o orvalho do pranto lhe perola
As faces maceradas de desgosto.

Quando o rosário de seu pranto rola,
Das brancas rosas do seu triste rosto
Que rolam murchas como um sol já posto
Um perfume de lágrimas se evola.

Tenta às vezes, porém, nervosa e louca
Esquecer por momento a mágoa intensa
Arrancando um sorriso à flor da boca.

Mas volta logo um negro desconforto,
Bela na Dor, sublime na Descrença.
Como Jesus a soluçar no Horto!

Publicações relacionadas

A uma senhora que me pediu ver... A uma senhora que me pediu versos(Machado de Assis) Pensa em ti mesma, acha...
A uma prostituta respeitosa A uma prostituta respeitosa (Walt Whitman) Tranquilize-se, fique à vontade co...
Poema de Sete Faces Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) Quando nasci, um anjo torto ...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - VI (Oscar Wilde) CAPÍTULO VI Daí a dez minutos, a s...

Deixe uma resposta