Sofredora

Print Friendly, PDF & Email

Sofredora (Augusto dos Anjos)

Cobre-lhe a fria palidez do rosto
O sendal da tristeza que a desola;
Chora – o orvalho do pranto lhe perola
As faces maceradas de desgosto.

Quando o rosário de seu pranto rola,
Das brancas rosas do seu triste rosto
Que rolam murchas como um sol já posto
Um perfume de lágrimas se evola.

Tenta às vezes, porém, nervosa e louca
Esquecer por momento a mágoa intensa
Arrancando um sorriso à flor da boca.

Mas volta logo um negro desconforto,
Bela na Dor, sublime na Descrença.
Como Jesus a soluçar no Horto!

Publicações relacionadas

Gozo os Campos Gozo os Campos (Alberto Caeiro) Gozo os campos sem reparar para eles. ...
Quem me Dera Quem me Dera (Alberto Caeiro) De O ...
O Domador O Domador (Mário de Andrade) Alturas da Avenida. Bonde 3. Asfaltos. Vastos, ...
Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta