Se às Vezes Digo que as Flores Sorriem

Print Friendly, PDF & Email

Se às Vezes Digo que as Flores Sorriem (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Se às vezes digo que as flores sorriem
E se eu disser que os rios cantam,
Não é porque eu julgue que há sorrisos nas flores
E cantos no correr dos rios…
É porque assim faço mais sentir aos homens falsos
A existência verdadeiramente real das flores e dos rios.
Porque escrevo para eles me lerem sacrifico-me às vezes
À sua estupidez de sentidos…
Não concordo comigo mas absolvo-me,
Porque só sou essa cousa séria, um intérprete da Natureza,
Porque há homens que não percebem a sua linguagem,
Por ela não ser linguagem nenhuma.

Publicações relacionadas

Mater Originalis Mater Originalis (Augusto dos Anjos) Forma vermicular desconhecida Que estac...
O punhal O punhal (Jorge Luis Borges) Tradução Em um estojo tem um punhal. Foi for...
Idealismo Idealismo (Augusto dos Anjos) Falas de amor, e eu ouço tudo e calo! O amor d...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 20 (Pablo Neruda) Puedo esc...

Deixe uma resposta