Se às Vezes Digo que as Flores Sorriem

Print Friendly, PDF & Email

Se às Vezes Digo que as Flores Sorriem (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Se às vezes digo que as flores sorriem
E se eu disser que os rios cantam,
Não é porque eu julgue que há sorrisos nas flores
E cantos no correr dos rios…
É porque assim faço mais sentir aos homens falsos
A existência verdadeiramente real das flores e dos rios.
Porque escrevo para eles me lerem sacrifico-me às vezes
À sua estupidez de sentidos…
Não concordo comigo mas absolvo-me,
Porque só sou essa cousa séria, um intérprete da Natureza,
Porque há homens que não percebem a sua linguagem,
Por ela não ser linguagem nenhuma.

Publicações relacionadas

Os sapos Os sapos (Manuel Bandeira) Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos...
Criança Desconhecida Criança Desconhecida (Alberto Caeiro) Criança desconhecida e suja brincando ...
Glória Glória (Cruz e Souza) Florescimentos e florescimentos! Glória às estrelas, g...
Caranguejola Caranguejola (Mário de Sá Carneiro) Ah, que me metam entre cobertores, E nã...

Deixe uma resposta