A minha vida é um barco abandonado

Print Friendly, PDF & Email

A minha vida é um barco abandonado (Fernando Pessoa)

A minha vida é um barco abandonado
Infiel, no ermo porto, ao seu destino.
Por que não ergue ferro e segue o atino
De navegar, casado com o seu fado ?

Ah! falta quem o lance ao mar, e alado
Torne seu vulto em velas; peregrino
Frescor de afastamento, no divino
Amplexo da manhã, puro e salgado.

Morto corpo da ação sem vontade
Que o viva, vulto estéril de viver,
Boiando à tona inútil da saudade.

Os limos esverdeiam tua quilha,
O vento embala-te sem te mover,
E é para além do mar a ansiada Ilha.

Publicações relacionadas

Gozo insatisfeito Gozo insatisfeito (Augusto dos Anjos) Entre o gozo que aspiro, e o sofrimento...
Galo Galo Galo Galo (Ferreira Gullar) O galo no salão quieto. Galo galo de ala...
Romance de la guardia civil es... Romance de la guardia civil española (Federico Garcia Lorca) ...
Casamento Casamento (Adélia Prado) Há mulheres que dizem: Meu marido, se quiser pesca...

Deixe uma resposta