A minha vida é um barco abandonado

Print Friendly, PDF & Email

A minha vida é um barco abandonado (Fernando Pessoa)

A minha vida é um barco abandonado
Infiel, no ermo porto, ao seu destino.
Por que não ergue ferro e segue o atino
De navegar, casado com o seu fado ?

Ah! falta quem o lance ao mar, e alado
Torne seu vulto em velas; peregrino
Frescor de afastamento, no divino
Amplexo da manhã, puro e salgado.

Morto corpo da ação sem vontade
Que o viva, vulto estéril de viver,
Boiando à tona inútil da saudade.

Os limos esverdeiam tua quilha,
O vento embala-te sem te mover,
E é para além do mar a ansiada Ilha.

Publicações relacionadas

Soneto da separação Soneto da separação (Vinicius de Moraes De repente do riso fez-se o pranto ...
A legião dos úrias A legião dos úrias (Vinicius de Moraes Quando a meia-noite surge nas estradas...
Poema com absorvências Poema com absorvências (Adélia Prado) Poema com absorvências no totalmeute p...
Cultivo una rosa blanca Cultivo una rosa blanca (José Martí) De Versos Sencillos...

Deixe uma resposta